Entrevistei João Batista

10/12/2013 by

Entrevistei João Batista

Gente de Deus,

Que a Graça Maravilhosa de Deus esteja com vocês.
Temos muitos motivos para ser gratos ao nosso Deus, Ele não poupou o próprio Filho, antes nos deu para que por meio dele tivéssemos vida.
Achei de entrevistar o João Batista, naqueles momentos em que ele estava preso, prestes a perder a vida.
- João, eu venho de longe, de séculos à frente, e você ficará conhecido como O Batista, talvez para diferenciar do outro João, o discípulo jovem que anda com o Senhor Jesus. Então, João Batista, pelos séculos e séculos à frente.
- Eu tenho batizado com água, em preparação para o que vem adiante de mim.
- Sim, eu sei, você prepara a chegado do Reino de Deus.
- Sim, e no Reino as pessoas precisam ter o proceder correto, de acordo com os ensino de Deus na Lei e nos Profetas.
- E o batismo?
- O batismo significa o fim da vida que vinham levando, e o início de uma nova vida procedente de uma nova consciência voltada para Deus.
- A pessoa morre para o passado e se levanta para uma nova vida.
- É isso, você entendeu.
- E essa nova vida precisa ser algo que vem de dentro para fora, uma questão de consciência afinada com a vontade de Deus?
- Sim, é isso.
- E a evidência disso são os frutos que demonstram externamente o que ocorre no interior, no coração?
- Sim, é isso.
- Mas, você tem sido radical contra os religiosos…
- Sim, a religião que aí está não caminha de acordo com o ensino do Senhor, eles estão abaixo do mínimo requerido. Eles precisam produzir frutos dignos de arrependimento.
- Entendo, eles são hipócritas. Dizem, ensinam, exigem de seus seguidores algo diferente do que praticam.
- Exato, eles estão abaixo do mínimo requerido.
- João, ninguém vai ter dúvida quanto ao conteúdo de sua pregação…
- Que bom!
- Mas, será que você consegue compreender o alcance de sua pregação?
- Como assim?
- Será que você consegue receber que a sua pregação implicará em consequências terríveis nos anos que se aproximam, nas décadas e séculos à frente?
- Sinceramente, não sei do que você fala.
- A sua pregação, João, é preparatória para a vinda do Messias, um Messias diferente, que exigirá um proceder de equidade. E não será um Messias guerreiro, atendendo aos anseios políticos da liderança de Israel.
- Eu sei, é essa a minha mensagem. Mas, continue.
- As pessoas aceitam a sua mensagem e são batizadas, mas as autoridades do povo não vão receber o Messias sofredor que já começou seu ministério, de quem você deu testemunho.
- Continue.
- Por inveja, por razões políticas, para manter o poder, elas vão acusá-lo falsamente e vão entregá-lo para ser crucificado. Ele será morto, mas ressuscitará ao terceiro dia, vencendo a morte e depois subirá ao céu, de onde veio.
- Terrível e maravilhoso tudo isso, mas também previsível. Eu estou aqui preso e penso que posso ser morto a qualquer momento.
- É verdade. Mas, será que você pode imaginar que Jerusalém, em algumas décadas à frente, será destruída pelos romanos e mesmo Israel deixará de existir como país por quase dois mil anos?
- Coisas grandes você fala, eu sou pequeno para entender isso tudo. Mas, sei que o Senhor tem os seus planos de paz para o seu povo e que, ao fim, tudo será restaurado.
- É verdade.
- Os profetas profetizam castigos terríveis, pela guerra, pela fome, pela peste, mas sempre trazem a mensagem de amor do Pai que não desiste de seus filhos, embora tenha que discipliná-los.
- Sim, é verdade, todos os profetas falam desse modo.
- Mas, agora, você vem lá do futuro para me dizer que este povo não aceitará a mensagem do Messias e será castigado com muito mais severidade do que já foi no passado?
- Sim.
- Mais do que quatrocentos anos longe de sua terra, como foi no Egito?
- Sim, mais.
- Mais do que os setenta anos na Babilônia?
- Mais.
- Mais do que os massacres sofridos perante os assírios e os babilônios?
- Muito mais.
- E você diz que, mesmo assim, meu povo voltará à sua terra?
- Sim, voltará.
- E eles estarão novamente no temor de nosso Deus?
- Muitos estarão, outros não, mas um novo povo existirá.
- Que povo é esse?
- O povo que ouviu a sua pregação, que aceitou o Messias sofredor, que recebeu o seu ensino e, por meio da graça de Deus, recebeu uma nova vida, por meio do sacrifício do Messias e, recebendo o Espírito Santo de Deus, viverão de modo agradável ao Senhor.
- Uma religião de consciência?
- Sim, tal qual você prega.
- Que maravilha! Que Deus maravilhoso esse nosso Deus!
- Sim, um Deus que ama de verdade e se empenha em oferecer ao que nele esperam um caminho que possam escolher para trilhar.
- Maravilhoso!
- João, você entendeu que o Reino não será instalado exteriormente, pela força das armas e não será um reino político, um reino deste mundo. Mas será um reino regido pelo próprio Deus, em cooperação com os que o aceitam. E o Senhor conduzirá os acontecimentos à restauração final de todas as coisas, e reinará para sempre.
- Maravilhoso!
- Bem, logo você estará com o Senhor e saberá essas coisas de modo melhor, mais claro e completo.
- Então, por que você veio para me dizer?
- É porque, estando a quase dois mil anos no futuro, eu recebi do Senhor para pregar a mesma mensagem que você tem pregado.
- O Reino está próximo, então?
- Sim, e o que isso significa precisa ser entendido a partir do que você pregou e do que se seguiu depois.
- Entendo. Que o Senhor seja com vocês. Que coisas maravilhosas lhes ocorram.
- Sim, mas precisamos entender melhor o que significam “raça de víboras”, “machado à raiz”, e “produzi frutos dignos de arrependimento”.
- O ensino é claro, mas será que vocês não estão com dificuldade de admitir o ensino e não de entendê-lo? Será que “raça de víboras” significa alguma coisa boa, lá no seu tempo?
- Significa coisa ruim, mas….
- Mas, vocês não esperavam ter que admitir que justamente quem devia dar o exemplo seja enquadrado como víbora, não é?
- Bem, acho que é isso…Acho que nós esperávamos ter a quem condenar, alguém que agisse diferente do que pregamos e vivemos…
- Como os fariseus?
- Acho que sim. Acho que jamais imaginamos ter que admitir que estamos do lado errado.
- Rsss. Ficou mais fácil entender o que significa “machado à raíz”?
- Ficou, ficou, mas é duro ter que admitir.
- Entendo, mas, isso não muda. Quem brande o machado é a Palavra que vocês pregam e ensinam.
- É sempre assim? Nós somos condenados por aquilo que pregamos?
- Sim, é sempre assim.
- “Produzi frutos dignos de arrependimento”, o que significa?
- Bem, vocês lá do futuro já têm o ensino e o exemplo do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Ficou alguma dúvida?
- Não, não ficou, e você também tem pregado para que as pessoas dividam suas vestes com quem não tem, a comida do mesmo modo. Ensina a quem tem o poder para não extorquir, não maltratar e contentar-se com o que tem, deixando de recorrer a meios ilegais para obter bens.
- Você tem alguma dúvida sobre as outras partes, sobre não valer de nada a justificativa de ser filho de Abraão. Isso deve ter um significado claro lá no seu tempo, não tem?
- Significa o mesmo para os judeus. E para nós, gentios, significa de que nada vale ser membro de organização religiosa, de ter abraçado alguma doutrina.
- Em qualquer tempo foi, é, e sempre será necessário produzir obras dignas de arrependimento.
- Entendo. O Messias tem ensinado que é preciso que a nossa luz brilhe diante do homens para que vejam as nossas boas obras e glorifiquem ao nosso Pai que está nos céus.
- Será que você precisava vir lá do futuro para repetir tudo o que já sabia?
- Bem, acho que não…
- Então, volta para lá, volta para a liberdade. Essa vida maravilhosa que vocês vivem, mesmo sem merecer, tem custado a nossa própria vida.
- Compreendo, você renunciou a todo tipo de conforto, vivendo no deserto, vestindo-se rusticamente, comendo gafanhotos. Uma vida desligada da sociedade que condena.
- Não há como condenar aquilo que se aprova. Mas, não é isso por isso que eu lhe digo para que saia deste lugar e retorne ao seu tempo, à sua casa.
- Por que é, então?
- É porque já podemos ouvir os passos do soldado que se aproxima. Algo terrível está para acontecer. Talvez você saiba, você que veio do futuro.
- Sim, eu sei, e você está certo, é hora de ir embora. Muito obrigado!
- A gente ainda se encontra.
- Vou colocar em prática o que você e o Messias têm ensinado. Vamos estar juntos um dia.
- Vai embora.

Posts Relacionados

Tags

Compartilhar

Responder

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>